Sportbuzz
Outros Esportes / FÓRMULA 1

GP do Catar: Hamilton usa capacete com cores da bandeira LGBTQIA+

Heptacampeão mundial de Fórmula 1, Lewis Hamilton usa capacete em apoio à diversidade

Redação Publicado em 19/11/2021, às 13h06

GP do Catar: Hamilton usa capacete com cores da bandeira LGBTQIA+ - GettyImages
GP do Catar: Hamilton usa capacete com cores da bandeira LGBTQIA+ - GettyImages

No Catar para o 20º Grande Prêmio da temporada 2021 da Fórmula 1, Lewis Hamilton preparou um capacete com as cores da bandeira LGBTQIA+ para usar na etapa. O equipamento, que é uma forma de apoio à diversidade, foi projetado pelo designer brasileiro Raí Caldato.

O artista brasileiro, que já fez outros capacetes de Hamilton, usou uma variação da bandeira do arco-íris desenhada por Daniel Quasar, artista não-binário, que exalta a representatividade de pessoas trans e negras na comunidade LGBTQIA+.

Na parte traseira do capacete, o artista estampou a frase “We Stand Together” (Estaremos juntos, na tradução) no lugar de “Still We Rise” (Ainda nos erguemos), da poetisa Maya Angelou, tradicionalmente usada por Hamilton. Confira algumas fotos:

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Raí Caldato (@caldatodesign)

 

Nesta quinta-feira, 18, Hamilton pediu pela investigação de violações de direitos humanos no Catar e na Arábia Saudita, sede da próxima etapa da Fórmula 1.

“Conforme as competições esportivas vão para esses locais, elas têm o dever de colocar em foco esses problemas. Esses lugares precisam de escrutínio. Direitos iguais são uma questão séria”, disse Hamilton em entrevista antes do primeiro treino para o GP do Catar.

“Sei que esses países estão tentando melhorar nessas questões e que não pode mudar do dia para a noite”, completou.

Lewis Hamilton é conhecido por usar sua voz e ativismo dentro do esporte. O britânico frequentemente levanta pautas de igualdade social, racismo, direitos humanos e meio ambiente.

Stefano Domenicali, diretor-executivo da Fórmula 1, disse em entrevista à “BBC” que colocar a modalidade em países como o Catar pode ajudar nas mudanças de direitos humanos. O país encara denúncias de exploração de trabalho escravo nas obras dos estádios para a Copa do Mundo de 2022. A Anistia Internacional classifica a situação do país como “extremamente problemática”. A partir de 2023, o Catar terá contrato com a Fórmula 1 por dez anos.

O terceiro treino livre da etapa será neste sábado, 20, às 8h (de Brasília). A classificação para a corrida será disputada mais tarde, às 11h. O GP do Catar acontece no domingo, 21, às 11h.


Receba notícias do SportBuzz no WhatsApp! Para fazer parte do canal CLIQUE AQUI!