Sportbuzz
Busca
Facebook SportbuzzTwitter SportbuzzYoutube SportbuzzInstagram SportbuzzTelegram SportbuzzSpotify SportbuzzTiktok Sportbuzz
Futebol / BRASILEIRO NA PRISÃO

Caso Daniel Alves: Justiça nega terceiro pedido de liberdade

Defesa de Daniel Alves teve o terceiro recurso de liberdade negado pela Audiência de Barcelona; jogador brasileiro está preso desde janeiro

Gabriela Santos Publicado em 12/06/2023, às 09h36 - Atualizado às 09h42

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Caso Daniel Alves: Justiça nega terceiro pedido de liberdade - GettyImages
Caso Daniel Alves: Justiça nega terceiro pedido de liberdade - GettyImages

Nesta segunda-feira, 12, a defesa de Daniel Alves teve mais um recurso de pedido de liberdade negado pela Audiência de Barcelona. A decisão manterá o brasileiro em prisão provisória diante da acusação de agressão sexual contra uma jovem de 23 anos, em dezembro de 2022.

É a terceira vez que o recurso para a liberdade do jogador até o julgamento foi negado pela justiça catalã. Daniel Alves está preso desde o dia 20 de janeiro. A detenção se dá também para evitar que o brasileiro saia da Espanha, atitude descartada pelos advogados do atleta e argumentada no último pedido de liberada.

Segundo informações do “UOL”, a defesa argumentou que os filhos do lateral estão de mudança para Barcelona e, por isso, ele não deixaria o país. No entanto, a importância da justificativa de que ele criaria maior vínculo com a cidade foi diminuída pelos juízes da Audiência de Barcelona.

Ainda de acordo com a publicação, os documentos da justiça alegam que a mudança de país “parece ter sido feita para este fim, pois aconteceu no mesmo dia em que foi negada a liberdade”. A decisão se refere ao segundo recurso negado, apresentado em maio.

Daniel Alves em ação durante a Copa do Mundo (Crédito: Getty Images)
Daniel Alves em ação durante a Copa do Mundo (Crédito: Getty Images)

O “UOL” aponta que este pode ter sido o último recurso da defesa de Daniel Ales antes do julgamento, que ainda não tem data definida. A expectativa é de que o brasileiro seja julgado ainda este ano, no último trimestre. A condenação varia de 4 a 12 anos de prisão.


Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!