O Botafogo não está caminhando bem nas últimas partidas e os resultados negativos dentro de campo irritaram o ex-meia Gerson, que disparou diversas críticas ao atual elenco depois de uma nova derrota da equipe.
 
Depois da derrota para o Fluminense no último sábado, 17, o ex-jogador não mediu as palavras para falar do momento que a equipe atravessa neste início de temporada sob comando do técnico Marcelo Chamusca.
 
"Em uma semana o Botafogo saiu da Copa do Brasil, foi desclassificado do Carioca e acabou com os esportes olímpicos. É preciso falar mais alguma coisa sobre o Fogão? Nós, torcedores, estamos por aqui! Estou recebendo um monte de ligações de torcedores, dizendo que esse time vai para a Terceira Divisão ou não sai da Segunda", disse Gerson em seu canal no Youtube antes de completar.
 
"Time sem alma, sem fibra, não querem p**** nenhuma com nada! Vamos para a luta! Aí contratou não sei quem, não sei quem... Para que? Para jogar isso aí? Para ficar três dias tocando a bola para trás? Estou de saco cheio de ver esse time!", completou o ex-jogador.
 
Foi justamente por conta desses resultados negativos que o futuro de Marcelo Chamusca passou a ser discutido internamente.
 
Diante disso, o dirigente Eduardo Freeland decidiu conversar com os torcedores e explicar a visão da diretoria sobre o desempenho do Botafogo e o trabalho realizado pelo treinador.
 
"O rendimento da equipe não é adequado e está havendo cobrança interna. Nós nos cobramos muito. A cada jogo, discutimos muito a performance coletiva e individual da equipe. É preciso uma análise mais complexa. Só tivemos duas semanas cheias para treinar nesses mais de 50 dias de trabalho. Ainda estaríamos em final de pré-temporada, mas já temos jogos oficiais e precisamos de evolução", explicou Freeland à "Botafogo TV".
 
"O Chamusca tem uma entrega muito grande no dia a dia. A gente vê qualidade no trabalho quando se tem tempo para treinar no campo. Os jogadores que estão chegando precisam de tempo de adaptação, condicionamento físico. Os atletas não tiveram pausa e outros estavam inativos há algum tempo. Eles não se conhecem. É natural que tenha esse entendimento aos poucos", completou.