Sportbuzz
Outros Esportes / SURFE!

Gabriel Medina fala sobre caminho até a conquista do tri e relembra: "Cedo pela idade, mas são dez anos nessa rotina"

Gabriel Medina conquistou o tri campeonato mundial de surfe aos 27 anos

Redação Publicado em 16/09/2021, às 10h01

Gabriel Medina levantando o troféu do tri campeonato mundial de surfe - GettyImages
Gabriel Medina levantando o troféu do tri campeonato mundial de surfe - GettyImages

Gabriel Medina esteve três vezes no topo do mundo do surfe. Para chegar até lá, o atleta não esquece dos momentos de dificuldade e dedicação que encarou. Nesta terça-feira, 14, dez anos depois de fazer sua primeira temporada completa, o ciclo de 2021 terminou com mais um troféu.

Neste domingo, 19, vai ao ar no programa "Esporte Espetacular", uma entrevista exclusiva do surfista, que relembrou o caminho até chegar aonde está hoje. O site "Globo Esporte" antecipou alguns trechos da conversa do atleta de 27 anos, que vive seu auge físico e técnico.

"É cedo quando você fala de idade. Vinte e sete anos, tricampeonato. Mas foram alguns anos me dedicando. E o ano é muito intenso e longo. Você praticamente viaja o mundo todo. Faz dez anos que estou nessa rotina", iniciou.

"É difícil você ser constante e estar preparado fisicamente, mentalmente. O ano foi meio ano [houve cancelamento de etapas], só que foi um (campeonato) atrás do outro. Eu não parei. Quando parei, eu estava treinando. Vivi intensamente todo dia, com esse foco e objetivo de chegar e me tornar campeão mundial", completou.

Além de ter levado os troféus de 2014, 2018 e 2021, Gabriel Medina também é o maior vencedor de etapas do CT disputadas desde 2015. Marcada pelo domínio brasileiro, ele acabou virando referência na Tempestade Brasileira.

"Achei que (título) nunca ia vir, só que eu tinha esse sonho, tinha essa vontade muito grande. Ontem [terça-feira] foi o dia em que tudo fez sentido. Todos esses anos de dedicação, de paciência. Porque tem que ter paciência. Valeu a pena pra caramba", contou.

A temporada de 2021 começou em Pipeline, em dezembro de 2020, com quatro eventos. Depois, o brasileiro foi ao Surf Ranch, na Califórnia, e em seguida ao México.

Foram disputadas sete etapas e mais o WSL Finals, tendo algumas competições canceladas no meio disso tudo, como a de Saquarema e de Teahupoo. Medina participou em cinco de sete finais, e levou duas, além de Trestles.

"Foi um ano atípico. Pandemia parou o mundo e a WSL fez um ótimo trabalho. Em todos os lugares que a gente foi, a gente conseguiu fazer acontecer os eventos. Sempre mantendo a gente em lugares separados, naquela bolha do hotel pra praia, competir sem público", lembrou.

"Em alguns eventos, a gente conseguiu ter público. Na Austrália, teve público. Na piscina (Surf Ranch), foi um negócio mais fechado. Teve etapas que a gente não foi também. No meio disso tudo, teve as viagens, quarentena que a gente teve que fazer. Fiz duas quarentenas esse ano, na Austrália e no México. Então, foi um ano diferente pra todo mundo", finalizou.


Receba notícias do SportBuzz no WhatsApp! Para fazer parte do canal CLIQUE AQUI!