Sportbuzz
Outros Esportes / TÓQUIO 2020

Comitê Organizador permite que atletas lactantes levem filhos para os Jogos Olímpicos

Após pressão, comitê libera que atletas que amamentam levem seus bebês para Tóquio

Redação Publicado em 01/07/2021, às 13h17

Comitê Organizador permite que atletas lactantes levem filhos para os Jogos Olímpicos - Gettyimages
Comitê Organizador permite que atletas lactantes levem filhos para os Jogos Olímpicos - Gettyimages

O Comitê Organizador das Olimpíadas de Tóquio permitiu que atletas que estão em fase de amamentação dos filhos levem seus bebês para o Japão. A medida foi liberada após pressão e críticas às rígidas regras para a presença de familiares dos competidores.

Com a mudança, atletas terão que se hospedar com seus filhos em hotéis oficiais fora da Vila Olímpica. Por conta da pandemia de coronavírus, as famílias não poderão comparecer aos Jogos Olímpicos de Tóquio. O Japão permitiu apenas moradores do país nas arquibancadas das competições.

O Comitê cedeu à pressão e abriu a exceção para crianças em idade de amamentação após “examinar cuidadosamente esta situação única”.

“Após uma consideração cuidadosa da situação única que as atletas enfrentam com crianças que amamentam, temos o prazer de confirmar que, quando necessário, as crianças que amamentam poderão acompanhar as atletas no Japão”, disse um porta-voz do Comitê Organizador à “Reuters”.

Na semana passada, a canadense Kim Gaucher, da seleção de basquete, desabafou sobre a possibilidade de ter que deixar de amamentar sua filha aos quatro meses. Ela deu à luz à Sophie em março deste ano.

“Tudo que eu sempre quis da minha carreira no basquete foi representar o Canadá nas Olimpíadas. Mas agora estou sendo forçada a decidir entre ser uma mãe que amamenta ou uma atleta olímpica. Eu não posso ter os dois”, disse em post no Instagram.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Kimberley Gaucher (@kgaucher)

 

Bicampeã olímpica, a jogadora de futebol Alex Morgan, dos Estados Unidos, afirmou que a medida não é suficiente. Ela tem uma filha de um ano e questionou a decisão do COI para definir “quando necessário”.

“Ainda não tenho certeza do que significa 'quando necessário'. Isto é decidido pela mãe ou pelo COI? Nós somos mães olímpicas dizendo a vocês, é NECESSÁRIO. Não fui consultada sobre a possibilidade de levar minha filha para o Japão e partiremos em sete dias”, escreveu Alex Morgan no Twitter.


 

Receba notícias do SportBuzz no WhatsApp! Para fazer parte do canal CLIQUE AQUI!