Sportbuzz
Facebook SportbuzzTwitter SportbuzzYoutube SportbuzzInstagram SportbuzzTelegram Sportbuzz
Lutas / MMA » Pan Americano

Após ser pega no antidoping, Rafaela Silva perde medalha de ouro do Pan de Lima

A judoca foi pega no exame realizado em agosto; atleta pode perder o bronze do Mundial de Judô

SportBuzz DIGITAL Publicado em 25/09/2019, às 18h26

Rafaela Silva pode sair beneficiada com o adiamento dos jogos olímpicos!
Rafaela Silva pode sair beneficiada com o adiamento dos jogos olímpicos! - Getty Images

Nesta quarta-feira, 25, a judoca brasileira Rafaela Silva perdeu sua medalha de ouro conquistada no Pan-Americano de Lima, no Peru, após ser pega no antidoping. Na última semana, a atleta foi testada pela substância proibida fenoterol, um broncodilatador presente em remédios para doenças respiratórias e usado para tratamento de doenças respiratórias, como bronquite e asma.

As informações foram confirmadas pela Federação Internacional de Judô (IJF) e pela Panam Sports, organização responsável por organizar os Jogos Pan-Americanos, por meio de um documento.

Segundo a Federação Internacional da modalidade, a brasileira poderá perder também as duas medalhas de bronze (individual e por equipes) conquistadas no Mundial de Judô, realizado este mês, no Japão.

Os exames foram realizados em agosto deste ano, no  dia em que Rafaela conquistou a medalha na categoria -57 kg, mas o resultado foi divulgado na semana passada. 

DEFESA

Em sua defesa,  a atleta convocou uma entrevista coletiva no Instituto Reação, onde treinava. Ao lado dela, entre outros atletas, estava o ex-judoca Flávio Canto.

Rafaela alegou inocência e afirmou "estar limpa" para continuar treinando e disputando campeonatos: "Nenhum atleta se prepara para um momento como esse. Estou aqui para dar a minha cara a tapa. Fiz os testes, estou limpa. É continuar treinando, competindo e provar minha inocência", alegou.

Sobre a substância, Rafa disse: "Eu não faço uso dessa substância, não tenho asma, não tenho nada. Quando fiquei sabendo dessa notícia, fiquei pensando todos os dias o que eu tinha feito, o que podia ter acontecido."

Uma das hipóteses reveladas pela judoca foi por conta de uma criança que frequenta o Instituto Reação, que pode ter "contaminado" a atleta com a substância: "A única pessoa que fez uso dessa substância foi a Lara, que treina no Instituto Reação. Eu tenho mania de dar meu nariz para a criança chupar. Conforme ela vai chupando meu nariz, eu vou inalando as substâncias que ela manda para o meu corpo". 

O que sustenta essa tese é que o último contato com Lara foi no dia 4 de julho, 5 dias antes do teste que deu positivo.

A judoca ainda se defendeu: "Competi depois, fiz exame e deu negativo. Continuei competindo, deu negativo. Acho que a história que a gente tem para contar é que, como falei, sempre tive muito cuidado por não querer passar por isso. Criança no colo, sempre dou o nariz para as crianças chuparem, e eu descobri que uma das crianças que eu fiz isso faz uso dessa substância. Então, pode ser um dos motivos", completou Rafaela Silva. 

 

Receba notícias do SportBuzz no WhatsApp! Para fazer parte do canal CLIQUE AQUI!