Sportbuzz
Facebook SportbuzzTwitter SportbuzzYoutube SportbuzzInstagram SportbuzzTelegram SportbuzzSpotify Sportbuzz
Futebol / ESPECIAL!

Penta 20 anos: o que mudou na Seleção Brasileira de lá para cá?

Faz 20 anos que o Brasil conquistou sua última Copa do Mundo e, de lá para cá, a Seleção passou por uma série de conquistas e frustrações; relembre!

Lucas Cesare Publicado em 30/06/2022, às 05h00 - Atualizado às 05h00

Penta 20 anos: o que mudou na Seleção Brasileira de lá para cá? - Getty Images
Penta 20 anos: o que mudou na Seleção Brasileira de lá para cá? - Getty Images

Há exatos 20 anos, no dia 30 de junho de 2002, a Seleção Brasileira levantava o troféu de campeã da Copa do Mundo pela quinta vez em sua história. Com dois gols de Ronaldo Fenômeno, a Canarinho superou a Alemanha, por 2 a 0, e cravou a quinta estrela em seu peito, se tornando a primeira e única seleção pentacampeã mundial de futebol!

Após aquela conquista, muita coisa mudou! 20 anos se passaram, quatro Copas do Mundo foram disputadas e a seleção ainda busca o hexacampeonato... Em compensação, o Brasil obteve sucesso em outras competições, como na Copa América e na Copa das Confederações. Craques surgiram, outros penduraram as chuteiras e cinco técnicos já passaram pelo comando da seleção, até chegar aos dias atuais.

Caption

CANAL - SPORTBUZZ: 

Pensando nisso, o SportBuzz preparou um especial relembrando os principais feitos da Seleção Brasileira nestes últimos 20 anos! Para facilitar, vamos dividir a matéria conforme os “ciclos” de Copa do Mundo e seus respectivos treinadores, ou seja, de 2002 até 2006, 2006 até 2010, 2010 a 2014, e assim por diante. Confere aí:

2002 até 2006 - Carlos Alberto Parreira

Após a conquista da Copa do Mundo, Felipão deixou o cargo de treinador para assumir a seleção portuguesa. Zagallo comandou o Brasil interinamente em uma partida, até dar lugar a Carlos Alberto Parreira, que seria o novo técnico até a Copa de 2006.

Parreira viveu bons momentos à frente da seleção. Com uma safra repleta de bons jogadores, que mesclava a experiência dos atletas campeões em 2002, com o talento de jovens que estavam surgindo, como Adriano Imperador e Robinho, a Canarinho se sagrou campeã da Copa América em 2004 e da Copa das Confederações em 2005, ambas sobre a maior rival: Argentina.

Caption


Conquistando tudo o que havia disputado nos últimos anos e com um elenco muito qualificado, a seleção chegou como a favorita para conquistar a Copa do Mundo de 2006, disputada na Alemanha. Após ótimos resultados no início do torneio, o time acabou eliminado para a França nas quartas de final, com gol de Thierry Henry.

2006 até 2010 - Dunga

Depois da eliminação, Parreira deu lugar a Dunga no comando da Seleção Brasileira. Campeão e capitão na Copa do Mundo de 1994, o treinador fez um bom trabalho à frente da Canarinho até a Copa de 2010, conquistando a Copa América de 2007, novamente sobre a Argentina, e a Copa das Confederações de 2009, desta vez sobre os Estados Unidos.

Apesar de bons resultados, Dunga nunca conseguiu agradar a todos como o técnico da Seleção e acabou sendo bem criticado por não convocar Neymar e Ganso (que na época ainda eram muito jovens) para o Mundial de 2010, na África do Sul, onde o Brasil acabou sendo eliminado para a Holanda, novamente nas quartas de final, em jogo marcado por falhas do goleiro Júlio César e do volante Felipe Melo.

Caption

2010 até 2012 - Mano Menezes

Dunga deixou a seleção após a Copa e acabou sendo substituído por Mano Menezes, que estava em alta depois de um ótimo trabalho à frente do Corinthians. Contudo, o técnico não conseguiu se firmar no cargo, ficou marcado após a eliminação precoce do Brasil na Copa América de 2011, quando caiu para o Paraguai, nas quartas de final, sem acertar nenhum pênalti em suas cobranças, e acabou demitido em 2013, dando lugar a Felipão.

2013 e 2014 - Luiz Felipe Scolari

De volta à seleção após 11 anos, Felipão tinha a dura missão de transformar um time desacreditado, em uma equipe com potencial para vencer a Copa do Mundo, em apenas dois anos de trabalho. E logo em seu primeiro ano de volta, o técnico conduziu o time à conquista da Copa das Confederações, com um baile em cima da Espanha (atual campeã do mundo) na decisão, vencida por 3 a 0.

O título deu motivação ao time, que iria disputar a Copa do Mundo em casa. Na fase de grupos, o Brasil venceu a Croácia (3 a 1), empatou com o México (0 a 0) e derrotou Camarões (4 a 1), se classificando para a próxima fase. Nas oitavas, derrotou o Chile, nos pênaltis, em um jogo dramático. Depois, superou a Colômbia nas quartas (2 a 1), mas o jogo foi marcado pela lesão de Neymar, que machucou a terceira vértebra da coluna e precisou dar adeus à Copa do Mundo.

Sem seu principal jogador, o Brasil chegou sem confiança à semifinal, onde enfrentou a Alemanha e acabou sofrendo a maior derrota de sua história, um 7 a 1 em pleno Mineirão. O icônico resultado ficou marcado na história e talvez seja o retrato do pior momento que a Seleção Brasileira viveu nestes últimos 20 anos.

Caption

2014 até 2016 - Dunga

Após a Copa, Felipão foi demitido, dando lugar a outro velho conhecido: Dunga, que retornou ao cargo  depois de quatro anos. A segunda passagem do comandante, entretanto, não foi nem um pouco parecida com a primeira em termos de títulos. O Brasil disputou duas edições da Copa América, em 2015 e 2016, e acabou precocemente eliminado em ambas.

Na primeira, a seleção foi novamente eliminada para o Paraguai nas quartas (novamente nas cobranças de pênaltis) e em 2016 o vexame conseguiu ser ainda pior, ficando em terceiro lugar de seu grupo e caindo ainda na primeira fase. Após a segunda eliminação, o clima se tornou insustentável para Dunga, que foi demitido do cargo e substituído por Tite.

Caption

2016 até os dias atuais - Tite

Tite assumiu a seleção em junho de 2016, seis meses depois de se sagrar campeão brasileiro pela segunda vez à frente do Corinthians. O treinador teria dois anos para colocar o time em ordem e levar a melhor equipe possível para a disputa da Copa do Mundo de 2018, na Rússia.

Conseguindo a melhor campanha das Eliminatórias Sul-Americanas, Tite levou o Brasil com moral ao Mundial, com apenas uma derrota sofrida desde que havia assumido o cargo. Porém, o time acabou caindo novamente nas quartas de final do torneio, desta vez para a Bélgica e adiou mais uma vez o sonho do hexa.

Entretanto, o bom trabalho feito pelo treinador fez com que ele fosse mantido no cargo, com o intuito de levar uma equipe forte para a Copa do Mundo de 2022, no Catar. Em 2019, o Brasil venceu o Peru e voltou a se sagrar campeão da Copa América depois de 12 anos. Já na Copa América de 2021 (que era para ter acontecido em 2020, mas precisou ser adiada por conta da pandemia) o time acabou perdendo a final para a Argentina, por 1 a 0.

Agora, no ano da Copa do Mundo, Tite conseguiu a melhor campanha da história das Eliminatórias Sul-Americanas, com 45 pontos conquistados e, com um time que mescla a experiência de grandes jogadores (como Thiago Silva e Neymar), com uma nova safra de jovens talentosos (como Raphinha, Antony e Vinicius Jr.), a Seleção Brasileira vem se mostrando bem preparada para ir ao Catar em busca do tão sonhado hexacampeonato da Copa do Mundo.

Caption


Receba notícias do SportBuzz no WhatsApp! Para fazer parte do canal CLIQUE AQUI!