Sportbuzz
Facebook SportbuzzTwitter SportbuzzYoutube SportbuzzInstagram SportbuzzTelegram Sportbuzz
Testeira
Futebol » EITA!

CT do Barcelona tem operação policial e ex-presidente do clube, Josep Maria Bartomeu, é levado preso; saiba mais!

Após buscas da polícia, ex-mandatário foi detido, além dos atuais CEO e do diretor jurídico

Redação Publicado em 01/03/2021, às 08h30

Josep Maria Bartomeu, ex-presidente do Barcelona
Josep Maria Bartomeu, ex-presidente do Barcelona - GettyImages

A gestão de Josep Maria Bartomeu no comando do Barcelona não rendeu apenas desentendimentos com os jogadores e funcionários e problemas financeiros, mas agora também virou caso de polícia.

De acordo com informações da imprensa local, uma operação policial teve como alvo o CT do clube, na manhã desta segunda-feira, 1, e também o ex-presidente, que foi levado preso.

Esse seria um novo passo na investigação sobre o "BarçaGate", série de escândalos que levaram à mudanças na diretoria no ano passado.

As publicações destacam que uma equipe de agentes da "Mossos d'Esquadra" foi até a residência de Bartomeu e o levou detido, acusado de corrupção, lavagem de dinheiro e administração injusta.

Além dele, também foram presos o atual CEO do Barça, Òscar Grau; o diretor jurídico, Román Gómez Pontí; e o ex-assessor presidencial Jaumes Masferrereles. Os outros diretores estariam isolados e incomunicáveis.

O Tribunal de Justiça da Catalunha emitiu a ordem de busca nas instalações do clube, que foram fechadas durante a atuação dos agentes.

Os funcionários precisaram ficar do lado de fora e não há registro de que os atletas do time profissional estavam presentes no momento da chegada dos policiais.

No centro das investigações estaria a suspeita de que a diretoria contratou uma empresa de consultoria especializada em dados e redes sociais, a "I3 Ventures", para proteger a reputação de Bartomeu e outros diretores.

A empresa também usaria seus serviços para publicar e espalhar mensagens que atacam jogadores como Messi e Piqué, ídolos do clube como Xavi, Puyol e Guardiola, além de políticos rivais, como Joan Laporta e Víctor Font.

Mesmo com as acusações, Bartomeu sempre negou que a empresa usasse seus serviços para difamar qualquer pessoa.

Porém, o contrato para o pagamento pelos serviços também entrou em investigação, já que o preço pago foi considerado inflacionado diante de outros contratos parecidos no mercado. O clube teria pago 1 milhão de euros à empresa, divididos em cinco parcelas de 200 mil euros.

Cada uma delas teria sido incluída no orçamento de diferentes departamentos do Barcelona, o que teria causado divergência entre os próprios diretores.


 
 
 
 
 

Receba notícias do SportBuzz no WhatsApp! Para fazer parte do canal CLIQUE AQUI!