Sportbuzz
Facebook SportbuzzTwitter SportbuzzYoutube SportbuzzInstagram SportbuzzTelegram Sportbuzz
Coronavírus » VACINA

Jogadores da Seleção Brasileira não tomaram vacina do coronavírus no Paraguai; entenda!

Conmebol havia oferecido as vacinas do coronavírus para a Seleção Brasileira, mas jogadores não tomaram

Redação Publicado em 09/06/2021, às 14h32

Jogadores da Seleção Brasileira não tomam vacina do coronavírus
Jogadores da Seleção Brasileira não tomam vacina do coronavírus - Lucas Figueiredo/CBF/Fotos Públicas

Apesar de a Conmebol ter oferecido as vacinas contra o coronavírus para a delegação da SeleçãoBrasileira, os jogadores deixaram o Paraguai, depois da partida contra o time da casa, sem o imunizante.

A imunização não é obrigatória para a participação das seleções na Copa América, mas a CBF planejava vacinar os jogadores e funcionários que desejassem com os imunizantes oferecidos pela Conmebol. Esse processo aconteceria na sede da entidade sul-americana.

No entanto, a incerteza sobre a disponibilidade das vacinas no Brasil fez com que a entidade desistisse.

No último domingo, 30, depois de uma reunião com os membros do Ministério da Saúde, a CBF tinha a expectativa de receber autorização oficial para importar as doses da Sinovac disponibilizadas pela Conmebol.

Na oportunidade, RodrigoLasmar, médico da seleção, explicou que a CBF esperou até o último momento, esta terça-feira, 9, na esperança de ter o aval, por meio da portaria do Ministério da Saúde, para receber a segunda dose no Brasil, mas isso não acabou acontecendo.

As vacinas da Sinovac precisam ser aplicadas com um intervalo de até 28 dias. Com medo de não conseguir oferecer a imunização completa, a opção da CBF preferiu não arriscar.

Até mesmo porque muitos atletas podem voltar para seus países na Europa e poderia haver conflito de marcas de vacinas. Jogadores como o Neymar, por exemplo, já tomaram a primeira dose fora do Brasil.

Ainda durante as semanas, a CBF confiava que, a exemplo do que aconteceu com os atletas que irão disputar a Olimpíada de Tóquio, os participantes da Copa América entrassem no grupo prioritário do Plano Nacional de Imunização (PNI) e houvesse autorização para a importação das vacinas.

Isso porque a lei vigente no Brasil determina que todas as vacinas que entrem no país sejam destinadas ao Sistema Único de Saúde (SUS).

A segunda dose aplicada aos membros da seleção também seria com os imunizantes recebidos pela Conmebol, sem interferir na vacinação do restante da população.


Receba notícias do SportBuzz no WhatsApp! Para fazer parte do canal CLIQUE AQUI!