Sportbuzz
Coronavírus / ELIMINATÓRIAS

Anvisa diz que funcionário argentino falsificou exames de jogadores

Investigação que apura se houve crime de falsidade ideológica na partida entre Brasil e Argentina ganhou o documento da Anvisa como peça-chave

Redação Publicado em 27/01/2022, às 08h42

Jogadores de Brasil e Argentina junto dos funcionários da Anvisa em campo - GettyImages
Jogadores de Brasil e Argentina junto dos funcionários da Anvisa em campo - GettyImages

O jogo entre Brasil e Argentina, válido por mais uma rodada das Eliminatórias para a Copa do Mundo, que deveria ter acontecido em setembro de 2021 foi interrompido por um agente da Anvisa, que alegava que alguns jogadores da seleção visitante haviam burlado o período de quarentena obrigatória, em prevenção ao avanço do coronavírus no país.

Agora, a Anvisa encaminhou um ofício à Polícia Federal informando que um funcionário da AFA (Associação de Futebol Argentino) foi o responsável por falsificar as declarações de saúde dos quatro jogadores da Seleção Argentina que estavam envolvidos na partida contra o Brasil, e que teriam que deixar o país imediatamente.

Canal - SportBuzz

Por conta dessa suspeita inicial, a partida acabou sendo suspensa depois que funcionários da Anvisa impediram Emiliano Martínez, Emiliano Buendia, Giovani Lo Celso e Cristian Romero de entrarem em campo alguns minutos antes do apito inicial. Desde o acontecido, a Conmebol não definiu se uma nova data será marcada ou se alguma das seleções será declarada vencedora.

O documento, assinado por Elisa Boccia, chefe do posto de vigilância sanitária do Aeroporto de Guarulhos, se tornou a peça-chave da investigação que apura se os quatro jogadores, além de funcionários da AFA, cometeram crime de falsidade ideológica, falsificando a declaração para que pudessem estar presentes no confronto.

Jogadores em campo antes da paralisação da Anvisa
Jogadores do Brasil em campo depois da paralisação da partida pela Anvisa (Crédito: GettyImages)

 

Acontece que na oportunidade, os jogadores em questão estavam atuando em clubes ingleses, e antes de entrarem no Brasil, teriam que fazer a quarentena obrigatória de 14 dias, como indicava a regra sanitária vigente na época. Além de não passarem esse período em isolamento, os atletas também omitiram o fato de terem vindo do Reino Unido.

Apesar de não conseguiu o endereço de IP do computador responsável pelo preenchimento dos documentos, a Anvisa chegou ao nome de Fernando Ariel Batista, funcionário da AFA, através do código de acesso utilizado para preencher a declaração dos jogadores. Além disso, a agência ainda informou no documento que não recebeu da Casa Civil da Presidência da República qualquer pedido de excepcionalidade.

Agora, o próximo passo da investigação por parte da Polícia Federal é ouvir esse funcionário da AFA para saber os motivos que o levaram a falsificação, ou quem o pediu que preenchesse o documento de tal forma. No entanto, isso só deve acontecer quando sair um pedido de cooperação jurídica internacional.


 

Receba notícias do SportBuzz no WhatsApp! Para fazer parte do canal CLIQUE AQUI!