Sportbuzz
Testeira
Colunistas / Carlos Orlando Barbosa / Formula 1 - 22ª ETAPA – GRANDE PRÊMIO DE ABU DHABI

Verstappen vence o GP de Abu Dhabi e se torna o campeão mundial de F1 de 2021

Max Verstappen, na última volta de forma surpreendente, vence o GP de Abu Dhabi e se torna o campeão mundial de F1 de 2021

Redação Publicado em 13/12/2021, às 10h32 - Atualizado às 11h25

Verstappen é o campeão da Fórmula 1 - Getty Images
Verstappen é o campeão da Fórmula 1 - Getty Images

Que final de campeonato fantástico!!!

Uma corrida muito tensa que certamente fez com que os torcedores do Max Verstappen ou do Lewis Hamilton tenham chegado ao fim da corrida tão exaustos como se estivessem dentro do cockpit.

Verstappen e Hamilton foram para a última etapa do campeonato empatados com 369,5 pontos.

Mas se nenhum dos dois terminasse a corrida, Verstappen seria o campeão pois tem uma vitória a mais.

A decisão sobre qual estratégia adotar para trocas de pneus era crucial para o resultado da corrida.

A Red Bull fez de tudo para garantir a pole durante os treinos de classificação.

No sábado, no Q1, quem levou a melhor foi a Mercedes que conseguiu fazer a dobradinha Hamilton e Bottas com Verstappen em 3º.

O carro da Mercedes apresentou um desempenho superior ao do Red Bull. Ambos com pneus médios(amarelos).

No Q2, vendo que não conseguiria superar a Mercedes, a Red Bull alterou a estratégia e mudou para pneus macios (vermelhos).

A alteração deu certo e a Red Bull fez a dobradinha Verstappen e Pérez com Hamilton em 3º.

No Q3, a Mercedes mudou para pneus macios e conseguiu melhorar o tempo do Hamilton, mas não o suficiente para superar Verstappen.

O grid ficou formado com Verstappen/Hamilton/Lando Norris da McLaren/Sergio Perez da Red Bull e Valtteri Bottas da Mercedes.

Verstappen/Norris/Pérez com pneus macios e Hamilton e Bottas com pneus médios.

A estratégia da Red Bull, era sair na frente, ganhar tempo para trocar pneus para duros e seguir até o final. Um risco, pois com pneus macios a troca tem que acontecer antes...

No domingo, esta estratégia não funcionou...

GP de Abu Dhabi - Créditos / Getty Images

 

Lewis Hamilton fez uma excelente largada e assumiu a frente. Porém, logo em seguida, Verstappen tentou a ultrapassagem, mas tocou em Hamilton, que para não bater, teve que usar a área de escape, encurtando o caminho e mantendo a primeira posição.

Na sequência Hamilton devolveu o tempo conseguido pela manobra.

O incidente foi considerado como normal de corrida. Hamilton em 1º.

Perez passou por Norris e pulou para 3ª posição, enquanto Bottas, com uma péssima largada caiu para 8º.

O Hamilton, mesmo com pneus médios passou a fazer volta mais rápida sobre volta mais rápida.

Verstappen não conseguia acompanhar o líder e a distância só aumentava. Já na 3ª volta a distância era de 1.3s

Volta 8/58, a vantagem de Hamilton subiu para 2.4s

Volta 11/58, o carro da Red Bull não conseguia chegar na Mercedes do Hamilton e a diferença já estava em 4.4s

Volta 14/58, Verstappen, 6 segundos atrás de Hamilton, vai para os boxes para troca de pneus.

Saiu de macios para duros (brancos). Voltou na 6ª posição.

Estranhamente Hamilton também foi para os boxes e antecipou a troca de pneus médios para duros. Voltou na segunda posição, atrás do Pérez.

Na volta 17/58, Perez líder, seguido de Hamilton, Carlos Sainz jr da Ferrari e Verstappen.

Hamilton fazendo a volta mais rápida estava 6s atrás do Pérez e 7s a frente do Verstappen (4º).

Volta 20/58, Hamilton chegou no Pérez.

Um pega sensacional entre os dois com uma sequência de “ultrapassa e perde” realmente impressionante.

Pérez fez um trabalho espetacular de escudeiro e de equipe.

Dificultou por 2 voltas a vida do Hamilton. Uma disputa duríssima, mas leal.

Enquanto isso o Bottas estava na 6ª posição...

A diferença entre Hamilton e Verstappen que era de 9segundos caiu para 1.3s.

Volta 25/58, Hamilton continuou com um desempenho superior, melhorando os tempos a cada volta.

A diferença entre os dois era de 3s.

GP de Abu Dhabi - Créditos / Getty Images

 

Volta 37/58, Antonio Giovenazzi da Alfa Romeu com problemas, parou o carro em local perigoso.

Entrou o Safety virtual.

A Red Bull rapidamente chamou Verstappen para os boxes para troca de pneus. Pneus novos duros.

Voltou em 2º com 23s de diferença para Hamilton.

A Mercedes manteve Hamilton na pista, com os pneus 23 voltas rodados a mais do que os do Verstappen.

Volta 39/58, faltando 19 voltas para o final, a diferença caiu para 16.2s. Com Verstappen fazendo as voltas mais rápidas.

Volta 41/58, Verstappen com pneus novos estava voando na pista à caça do Hamilton. Mas a diferença ainda era de 14.4 segundos.

Para alcançar o Hamilton ele teria que tirar pelo menos 0.8s, em cada volta.

Volta 48/58, Verstappen já não conseguia manter o ritmo de melhores voltas.

A diferença estava em 12.2s, faltando apenas 10 voltas para o final.

A corrida estava nas mãos do Hamilton. Era administras as últimas voltas.

Volta 52/58, mesmo com os pneus com 38 voltas, Hamilton conseguiu manter a diferença de 11.2s em relação ao Verstappen que estava com pneus com 15 voltas.

Faltando 6 voltas para o final, somente uma “tragédia” poderia tirar o título do Hamilton.

Volta 53/58, Nicholas Latifi da Williams, motor Mercedes, bate feio no guardrail e entra o Safety car com bandeira amarela.

Imediatamente a Red Bull chamou Verstappen para trocar os pneus de duros para macios.

Hamilton questionou a Mercedes se não deveria também ir para os boxes, mas a decisão foi para se manter na pista.

Provavelmente a Mercedes apostou que não daria tempo para limpeza da pista nas 5 voltas faltantes.

Uma aposta que pode ter custado o campeonato.

Aí entra a lambança da FIA.

A primeira decisão foi de que a relargada deveria seguir com os 5 retardatários entre Hamilton e Verstappen mantendo as posições.

Não poderiam ultrapassar o safety car.

Uma decisão que daria mais folego para o Hamilton abrir espaço na relargada.

Volta 57/58, após questionamento da Red Bull, a decisão foi revista e os retardatários deveriam ultrapassar o safety car e Verstappen deveria largar atrás do Hamilton.

Uma decisão controversa que ainda dará muita discussão.

Volta 58/58, última volta, relargada, Hamilton na frente, Verstappen com pneus macios novos colou em Hamilton.

Verstappen ultrapassou Hamilton.

Faltando poucos metros para a linha de chegada, Hamilton abriu a asa e ficou do lado de Verstappen, mas com os pneus com 44 voltas rodados, não conseguiu finalizar a ultrapassagem.

Max Verstappen recebeu a bandeirada como o primeiro holandês Campeão do mundo de Fórmula 1.

Uma vitória merecida pelo que Verstappen fez durante o campeonato. Foram 10 poles, 10 vitórias e liderou 652 voltas, mais que o dobro de Hamilton.

GP de Abu Dhabi - Créditos / Getty Images

 

Uma corrida excepcional pelos pegas, pelas mudanças de estratégias, pela competitividade entre Hamilton e Verstappen.

Uma corrida que fecha com chave de ouro um ano extraordinário para Fórmula 1.

Destaques positivos do campeonato;

- Max Verstappen. Foi o único piloto a se igualar e superar no final o Lewis Hamilton. Ousado e determinado, amadureceu muito em 2021. Certamente será um dos grandes nomes na história da F1.

- Equipe Red Bull. Deu um banho de estratégia na Mercedes na maior parte das corridas. A eficiência e o imbatível tempo de 2.1s na troca de pneus. O gênio da aerodinâmica Adrian Newey. Sergio Pérez como escudeiro foi fundamental na campanha ao título.

- Honda – Mesmo com a decisão de encerrar o desenvolvimento de motores para fórmula 1 em dezembro de 2021, desenvolveu com empenho o motor para a Red Bull até a última corrida. Farão muita falta para a F1.

-GP do Brasil – Em um ano com excelentes corridas, o GP foi o melhor em emoção e participação das torcidas. E ainda com a Sprint Race.

- Nova geração da F1 – Pilotos que irão mudar a cara da F1. Lando Norris (22), Pierre Gasly (25), Charles Leclerc (24), George Russel (23), Carlos Sainz jr (27).

- Lewis Hamilton – Por várias vezes mostrou porque é Heptacampeão. Mesmo com as atrapalhadas da Mercedes e sem a colaboração do parceiro, fez várias corridas de superação, como no GP do Brasil. Chegou a ter 32 pontos de desvantagem no campeonato e conseguiu zerar.

GP de Abu Dhabi - Créditos / Getty Images

 

Destaques negativos do campeonato;

- FIA e seus comissários – Foi um exagero de erros da FIA nas decisões deste ano. Manteve corrida que deveria ter sido cancelada como o GP DA BÉGICA que teve 3 voltas com safety car e foi encerrada. Um absurdo.

As decisões sem consistência como no GP do Brasil, GP da Arabia saudita e mesmo na corrida final em Abu Dhabi. Decisões que transmitem insegurança para os pilotos. Com certeza equipes e pilotos pedirão cabeças na FIA.

- Equipe Mercedes – Péssimas decisões estratégicas como no GP DA TURQUIA, GP DOS USA, GP DE ABU DHABI e outros. Bottas como piloto parceiro.

- GP DA ARÁBIA SAUDITA- Péssima pista.

 

MUNDIAL DE PILOTOS (10+)

1-M. Verstappen, 395,5 pontos

2-L. Hamilton, 387,5 pontos

3- V. Bottas, 226 pontos

4- S. Pérez, 190 pontos

5- C. Sainz jr, 164,5 pontos

6- L. Norris, 160 pontos

7- C. Leclerc, 159 pontos

8- D. Ricciardo, 115 pontos

9- P. Gasly, 110 pontos

10- F. Alonso, 81 pontos

 

MUNDIAL DE CONSTRUTORES (5+)

1-Mercedes, 613,5 pontos

2-Red Bull/Honda, 585,5 pontos

3-Ferrari, 323,5 pontos

4-McLaren/Mercedes, 275 pontos

5-Alpine/Renaut, 155


 

Receba notícias do SportBuzz no WhatsApp! Para fazer parte do canal CLIQUE AQUI!